Turista chileno é esfaqueado em Copacabana

Cinco dias depois da morte de duas pessoas, após serem esfaqueadas por um morador de rua, identificado como Plácido Correa de Moura, de 44 anos, na Lagoa, na Zona Sul do Rio, um turista chileno, que não teve a identidade revelada, também foi vítima de um suposto ambulante, armado com uma faca, em uma abordagem na Rua Paula Freitas, em Copacabana, na mesma região, na noite desta quinta-feira.

Segundo informações preliminares, a vítima estaria com a namorada, quando um vendedor ambulante o teria abordado e oferecido um produto. Na negativa do turista, o homem o teria esfaqueado, informa o Extra.

De acordo com a polícia, o turista foi encaminhado, em primeiro momento, para UPA de Copacabana. Após ser avaliado previamente, ele foi levado para o Hospital municipal Miguel Couto, na Gávea, onde esteve em observação na Sala Amarela, e foi liberado na madrugada desta sexta-feira. Apesar disso, o corte, que atingiu a região do peito e do braço, não foi profundo e a vítima não corre risco de morte.

O caso foi encaminhado para a Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (Deat), no Leblon.

Relembre a morte do casal na Lagoa

Na manhã do último domingo, na Lagoa Rodrigo de Freitas, embaixo do Viaduto Saint Hilaire, que dá acesso a Fonte da Saudade, um morador de rua, esfaqueou e matou o engenheiro João Feliz de Carvalho Napoli, de 34 anos, e o personal trainer Marcelo Henrique Corrêa Cisneiros, de 39 anos, após um surto psicológico.

Segundo a Polícia Civil, o suspeito abordou João Napoli com uma faca, por volta das 12h. A vítima chegou a ser levada para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, mas acabou morrendo na unidade. Já Marcelo, que passava pela Lagoa no momento do ataque, foi esfaqueado quando tentou segurar o agressor. Ele também foi levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

A namorada de João Napoli, Caroline Moutinho, que estava com ele no banco do carona, levou golpes de faca em uma das mãos e no quadril. A bióloga também foi levada para o Miguel Couto.

Ao todo, cinco pessoas — entre elas uma bombeira e um policial militar — ficaram feridas no cerco ao morador de rua.

02/08/2019