Ainda sob efeito Brumadinho, Vale tem prejuízo de R$ 384 milhões

A Vale informou nesta quarta-feira (31) que registrou prejuízo de R$ 384 milhões no segundo trimestre de 2019. Assim como no trimestre anterior, resultado ainda foi influenciado pelo impacto da ruptura da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais, em janeiro.

Foi o segundo trimestre consecutivo de prejuízo da mineradora. Entre janeiro e março, a Vale reportou prejuízo de R$ 6,4 bilhões, também afetada pela tragédia de Brumadinho. No segundo trimestre do ano passado, a companhia registrou lucro de R$ 306 milhões.

Segundo a Vale, o resultado do segundo trimestre pode ser atribuído ao processo de provisões adicionais relacionadas a problemas com três barragens da empresa: para a ruptura da estrutura em Brumadinho, para o descomissionamento da barragem de Germano e para a Fundação Renova (criada depois da tragédia em Mariana para organizar a reparação aos danos causados pelo desastre), revela o G1.

Veja detalhes das provisões:

  • R$ 5,9 bilhões pela ruptura da barragem de Brumadinho;
  • R$ 993 milhões pelo descomissionamento da barragem de Germano;
  • R$ 1,4 bilhão para a Fundação Renova.

As provisões e despesas da companhia apenas com Brumadinho já somam R$ 23,2 bilhões. Além dos R$ 5,9 bilhões anunciados neste segundo trimestre, a companhia já havia provisionado R$ 17,3 bilhões nos primeiros três meses do ano.

“Conforme progredimos para uma reparação completa e efetiva, o segundo trimestre foi um trimestre de transição para o negócio, com o rompimento da Barragem em Brumadinho ainda impactando volumes, custos e despesas”, afirmou o diretor-presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo.

Empresa faturou mais

A receita líquida da companhia foi de R$ 36 bilhões no segundo trimestre, o que significa um aumento de R$ 5 bilhões na comparação com os primeiro três meses do ano. O aumento foi beneficiado pelos maiores preços e volumes de vendas.

Nesse período, a receita aumentou em R$ 3 bilhões com a alta dos preços e R$ 828 milhões pelos maiores volumes de venda.

Dívida em queda

A Vale também informou que a dívida bruta recuou no segundo trimestre. Ela totalizou US$ 15,8 bilhões, uma queda de US$ 1,3 bilhão na comparação com os três meses anteriores.

O recuo do endividamento da companhia teve como base o pagamento de dívidas relacionadas às linhas de créditos que foram contratadas no primeiro trimestre pela companhia.

Já os investimentos subiram. No segundo trimestre, eles somaram US$ 730 milhões, acima do apurado no mesmo período do ano passado (US$ 705 milhões) e dos três primeiros meses deste ano (US$ 611 milhões).

Produção em queda

Na semana passada, a Vale informou que as vendas de minério de ferro e pelotas caíram 18,2% no segundo trimestre ante mesmo período de 2018, enquanto a produção de minério de ferro recuou 33,8% na comparação anual, em meio a paradas de minas após o desastre em Brumadinho (MG).

O volume de vendas de minério e pelotas somou 70,8 milhões de toneladas entre abril e junho. Já a produção de minério de ferro atingiu 64 milhões de toneladas.

01/08/2019